Eu te perdoo…

Eu te perdoo…

Eu te perdoo pelos momentos que mais precisei de você e não pude contar contigo pois você não percebia que estava fraco e abatido por conta dos problemas que enfrentávamos deixando-me a maior parte do tempo sozinho e assim tinha que preencher com algo que não fosse a sua presença.

Eu te perdoo por não ver que estava lutando contra os meus demônios todo o tempo, por estar se afogando e não ter forças para lhe chamar, por lutar para ser melhor pra você e nisso fracassar por conta da minha fraqueza.

Eu te perdoo por não perdoar todas as vezes que fui rude por sentir-me tão pressionado com as coisas ao meu redor que aos poucos desmoronavam, por conta da minha estupidez e arrogância descontei em você e eu realmente me arrependo e pedi o seu perdão, mas você as guardou no seu coração ao invés de joga-las fora.

Eu te perdoo por você preferir se calar ao invés de se abrir e falar, por preferir fugir do que enfrentar e lutar, por preferir um caminho que aparentemente parece ser bom, mas que no final sabe bem no fundo que não levará a lugar nenhum.

Eu te perdoo por não ver que estava depressivo, que me sentia sozinho e vazio, mesmo você estando lá e achando que aparentemente não havia nenhum problema, mas havia e percebi que o sentimento que tinha era uma realidade futura, quando assim você me abandonou.

Eu te perdoo por não ver o desespero da minha alma que estava sedenta e seca, ela precisava de alguém que orasse, alguém que realmente se importasse, pois ela estava ferida e longe de Deus.

Eu te perdoo e sempre te perdoarei, esperando um dia que você volte mesmo sabendo que talvez nunca mais te veja e sinta novamente o seu abraço e olhe para os seus olhos verdes cor de mel…

E no tocante daquela noite

E no tocante daquela noite

Estou aqui pensando naquela noite

Sim aquela que nos vimos pela primeira vez

Pude apreciar o sorriso mais belo

Tímido e encantador que já vi

Saindo dos seus lindos lábios

Que entoavam cada palavra

E ouvindo queria mais e mais

Embriagar-me com o som da sua voz

Sua mão logo se enlaçou com a minha

O abraço caloroso depois apareceu

O frio que sentia foi-se dissipando

Enquanto meu coração era aquecido

Batia fortemente por estar contigo

Já o brilho do seus lindos olhos

Cativaram-me de uma maneira única

Fiquei admirado com tal olhar

Roubando assim minha atenção

Cada vez que os admirava

E no tocante daquela noite

Nosso primeiro beijo era selado

Tímido e sem jeito estava

Mas levou-me a sonhar novamente

Como se estivesse adormecido

E logo despertado depois de muito tempo

No tocante sobre aquela noite

O que mais me resta agora

É saudades…

Tempo de abraçar e tempo de se apartar do abraço.

Tempo de abraçar e tempo de se apartar do abraço.

“Tempo de abraçar e tempo de se apartar do abraço.”
Eclesiastes 3:5

A última vez que dei um abraço em uma pessoa que amava muito, foi numa tarde de sábado no mês de Setembro do ano passado, onde ela simplesmente saiu dos meus braços para nunca mais voltar, naquele abraço que dei também selei os lábios dela com os meus em um último beijo, o qual foi simplesmente rejeitado pelo toque dos seus lábios.

Sim isso mesmo, aquele abraço que tanto me trazia o conforto e calmaria para minha alma e corpo, e aquele beijo que fazia-me transbordar de amor levando-me as alturas, simplesmente foram os últimos que eu poderia dar na pessoa que tanto meu coração com todas as suas forças amou, e no qual jurei que amaria e cuidaria para sempre.

Sinceramente não sei porque fiz aquele ato, porém no meu desespero de não perde-la, achei que fazendo aquilo naquele último momento, tudo poderia se resolver e retornar ao que era antes, mas não, não foi assim que aconteceu, pois por mais que não queria aceitar, já havia tempo que eu a tinha perdido.

Então simplesmente fui embora, houve muito lamento da minha parte pois meu coração estava se despedaçando por inteiro e ao longo dos dias a dor só aumentava, e desde daquele momento eu nunca mais provei aquele abraço novamente, abraço este que me fazia um bem que não sabia que fazia, até perde-lo para nunca mais voltar.

Realmente parecia uma cena de algum filme de Hollywood ou alguma série da Netflix, nunca imaginei que passaria por algo daquele tipo, mas passei e posso dizer com clareza que doeu e doeu muito, uma dor que nunca houvera sentido antes, uma dor que pensei nunca sofrer o dano, tamanho dano que deixou-me atordoado e somente durante esses tempos tenho recuperado a minha sobriedade.

Essa é a vida, por mais que não queremos ou aceitemos ela é assim, muitas vezes é dura e sofrida, nos machuca para nos moldar o caráter, e mostrar para nós mesmo que precisamos aprender que cada palavra dita, cada beijo dado e cada abraço sentido, poderá ser realmente o último, e o último por mais que não queiramos, sempre será o que nos marcará para sempre, até encontrarmos uma pessoa na qual estará disposta a nos abraçar e aos poucos apagar esta marca, até torna-la uma simples cicatriz.

Sim um novo amor, o qual trará de volta aquela alegria e aquele sentido de vida que sabíamos que estava ali, porém adormecido sendo assim despertado novamente, voltando mais uma vez a ter aquele abraço gostoso, que nos traz a calmaria que tanto queremos, e aquele bom e caloroso amor, que nem pai, nem mãe e nem ao menos nossos amigos podem nos dar.

Não me entenda mal, é ótimo ter os abraços das pessoas que amamos e que sempre se encontram em nossas vidas para nos consolar e nos confortar, mas quando este abraço parte da pessoa amada não há abraço que supere tal afeto, e hoje tudo o que gostaria de ter é este tipo de abraço que o tempo levou e que hoje sinto falta…