Devocional CHARLES SPURGEON – VE

Devocional CHARLES SPURGEON – VE

“A iniquidade concernente às coisas santas.”
Êxodo 28:38

Hoje gostaria de compartilhar um devocional que tenho feito diariamente pelo site Voltemos ao Evangelho, o texto de hoje veio a calhar no dia que estou reflexivo enquanto a mim mesmo para com Deus.

Espero que gostem e até mesmo assinem para receber a cada dia por e-mail, estarei deixando o link no final deste artigo, uma ótima sexta-feira a todos! 😀


Que véu é levantado por estas palavras e que revelação elas nos fazem! Parar um pouco e contemplar esta cena desagradável nos traria humildade e proveito – as iniquidades de nossa adoração coletiva, sua hipocrisia, formalidade, indiferença, irreverência, negligência e esquecimento de Deus – quanta abundância temos aqui! Nosso trabalho para o Senhor, a rivalidade, o egoísmo que caracteriza esse trabalho, a falta de cuidado, a descrença – que multidão de profanação! Nossas devoções particulares, frieza, falta de zelo, indiferença, morosidade e vaidade – que montanha de lixo! Se observássemos com mais cuidado, essa “iniquidade concernente às coisas santas” pareceria muito maior do que quando a olhamos pela primeira vez. O Dr. Payson, escrevendo ao seu irmão, disse: “Minha igreja, assim como o meu coração, parece o jardim do preguiçoso. E o que é pior, acho que muitos dos meus desejos referentes à melhora de ambos, procedem do orgulho, da vaidade ou da indolência. Procuro as ervas daninhas que arruínam meu jardim, exalando um desejo sincero de que elas sejam arrancadas. Mas, por quê? O que causa este desejo? Talvez, a vontade de poder sair e dizer para mim mesmo: ‘Em que excelente estado o meu jardim é mantido!’ Isto é orgulho. Pode acontecer que os meus vizinhos olhem por cima do muro e digam: ‘Ora, veja como o seu jardim está florescendo!’ Isto é vaidade! Ou talvez esteja desejando a destruição das ervas daninhas, porque estou cansado de arrancá-las. Isto é indolência!” Até o nosso desejo por santidade pode estar contaminado por motivos errados. Sob o mais verde gramado, vermes escondem-se, não é preciso procurar muito para os encontrarmos. Quão reconfortante é o pensamento de que, quando o sumo sacerdote levava a iniquidade das coisas santas, ele tinha sobre a sua testa as palavras “Santidade ao SENHOR” (Êxodo 28.36). Quando o Senhor Jesus leva nosso pecado, Ele apresenta ao seu Pai não a nossa falta de santidade, e sim a sua própria santidade. Ó, quanto precisamos de graça para ver, com olhos de fé, o nosso Grande Sacerdote!

 

Fonte: Devocional Charles Spurgeon

Meu Refúgio és Tu no Dia do Mal – Charles Haddon Spurgeon

Meu Refúgio és Tu no Dia do Mal – Charles Haddon Spurgeon

…meu refúgio és tu no dia do mal.
Jeremias 17:17

O caminho do cristão nem sempre é brilhante e ensolarado; ele tem suas épocas de escuridão e tormenta. É certo que está escrito na Palavra de Deus ” Os seus caminhos são caminhos deliciosos, e todas as suas veredas, paz.” (Pv. 3:17), e é uma grande verdade que a religião é calculada para dar ao homem tanto felicidade na terra quanto gozo no céu; mas a experiência nos diz que, se o percurso do justo é “como a luz da aurora, que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito” (Pv. 4:18), às vezes, então, essa luz fica obscurecida. Em certas épocas as nuvens encobrem o sol do crente, e ele anda na escuridão sem ver a luz. Há muitos que se regozijam na presença de Deus durante algum tempo; se aquecem no sol dos primeiros estágios de sua carreira cristã; caminham por “pastos verdejantes” junto de “águas tranqüilas”, mas de repente descobrem que aquele céu glorioso está cheio de nuvens; ao invés de andar pela terra de Gósen, agora eles têm que andar pelas areias do deserto; em lugar de água doce, encontram correntes tortuosas, de águas amargas, e dizem: “Se eu fosse filho de Deus, com certeza isto não aconteceria.” Oh! não digas isto, tu que estás andando na escuridão. Os melhores santos de Deus precisam beber bebidas amargas; os mais queridos de Seus filhos precisam suportar a cruz. Nenhum cristão gozou prosperidade infinita; nenhum crente pode manter o tempo todo sua harpa longe do salgueiro (Sl. 137). Talvez a princípio o Senhor lhe tenha dado um caminho suave e sem nuvens, pois você era frágil e inseguro. Ele amainava o vento para a ovelha tosquiada; mas agora que está mais forte em sua vida espiritual, você precisa ter a experiência mais madura e mais difícil dos filhos adultos de Deus. Precisamos de ventos e tempestades para exercitar nossa fé, para quebrar o galho podre da autodependência, e para nos enraizarmos com mais firmeza em Cristo. O dia do mal nos revela o valor da nossa gloriosa esperança.