31 de outubro

31 de outubro

Sucumbi-me a escuridão do meu coração e vi plenamente toda a sua malicia que havia no monstro que em mim habita. Devorou-me por inteiro e por meses fui remoído por ele. Não havia mais sobriedade em mim e aos poucos fui me tornando como um animal.

Simplesmente me perdi dentro de mim e já não sabia mais quem era novamente, mas dessa vez foi diferente da primeira, pois fui tragado ao mais profundo poço de alucinações caóticas das quais por um momento vivi grande ecstasy.

Porém uma indagação há em minha mente agora sã da qual resposta não possuo:

Mesmo como este monstro ainda em mim, como recuperei a sã consciência?

Eu te perdoo…

Eu te perdoo…

Eu te perdoo pelos momentos que mais precisei de você e não pude contar contigo pois você não percebia que estava fraco e abatido por conta dos problemas que enfrentávamos deixando-me a maior parte do tempo sozinho e assim tinha que preencher com algo que não fosse a sua presença.

Eu te perdoo por não ver que estava lutando contra os meus demônios todo o tempo, por estar se afogando e não ter forças para lhe chamar, por lutar para ser melhor pra você e nisso fracassar por conta da minha fraqueza.

Eu te perdoo por não perdoar todas as vezes que fui rude por sentir-me tão pressionado com as coisas ao meu redor que aos poucos desmoronavam, por conta da minha estupidez e arrogância descontei em você e eu realmente me arrependo e pedi o seu perdão, mas você as guardou no seu coração ao invés de joga-las fora.

Eu te perdoo por você preferir se calar ao invés de se abrir e falar, por preferir fugir do que enfrentar e lutar, por preferir um caminho que aparentemente parece ser bom, mas que no final sabe bem no fundo que não levará a lugar nenhum.

Eu te perdoo por não ver que estava depressivo, que me sentia sozinho e vazio, mesmo você estando lá e achando que aparentemente não havia nenhum problema, mas havia e percebi que o sentimento que tinha era uma realidade futura, quando assim você me abandonou.

Eu te perdoo por não ver o desespero da minha alma que estava sedenta e seca, ela precisava de alguém que orasse, alguém que realmente se importasse, pois ela estava ferida e longe de Deus.

Eu te perdoo e sempre te perdoarei, esperando um dia que você volte mesmo sabendo que talvez nunca mais te veja e sinta novamente o seu abraço e olhe para os seus olhos verdes cor de mel…

Pequena peça

Pequena peça

Sou uma pequena peça neste enorme “quebra-cabeça”

Peça esta que tenta se encaixa, mas não consegue

Procuro de ponta a ponta o meu lugar

De norte a sul e de leste a oeste

Não o acho e mais uma vez tento me encaixar

Parece que não faço sentido algum

Neste imensurável “quebra-cabeça”

Tento me encaixar novamente, de novo e de novo

Mas não dá, não vai e isso é frustrante

Por não conseguir me encaixar neste “quebra-cabeça” gigante